Maravilhas das Bananas

Maravilhas das Bananas

Parodiando a música:  “O que que a Banana tem...”
 

Energia: A banana contém três açúcares naturais - sacarose, frutose e glicose, combinados com fibra. Devido a essa característica, a banana proporciona ao ser humano uma instantânea e substancial elevação da energia. Pesquisas provam que apenas duas bananas fornecem energia suficiente para um treino de 90 minutos extenuantes. Não é à toa que a banana é a fruta número um dos maiores atletas do mundo.

Mas energia não é a única maneira pela qual a banana pode nos ajudar a manter a forma. Pode também nos ajudar a curar ou prevenir um grande número de doenças. Acreditamos que adicionar a banana nossa dieta diária torna-se praticamente uma obrigação. Vejamos então suas características / vantagens :

Anemia: contendo muito ferro, bananas estimulam a produção de hemoglobina no sangue e ajudam nos casos de anemia.
Azia: elas têm efeito antiácido natural no organismo, por isso, se você sofre de azia, experimente comer uma banana para aliviar.

Cansaço: Comer uma banana entre as refeições ajuda a manter os níveis de açúcar no sangue elevados, combatendo assim o cansaço.

Cérebro: 200 estudantes da escola Twickenham na Inglaterra tiveram ajuda nos exames este ano, comendo bananas no café da manhã, lanche e almoço em uma tentativa de elevar sua capacidade mental. A pesquisa mostrou que o elevado teor de potássio na banana, pode ajudar a aprendizagem, tornando os alunos mais alertas.

Constipação: com elevado teor de fibra, incluir bananas na dieta pode ajudar a normalizar as funções intestinais, ajudando a superar o problema sem recorrer a laxantes.


Controle de temperatura: Muitas culturas vêm a banana como fruta 'refrescante', que pode reduzir tanto a temperatura física como emocional de mulheres grávidas. Na Tailândia, por exemplo, as grávidas comem bananas para os bebês nascerem com temperatura baixa.


Depressão: De acordo com recente pesquisa realizada pela MIND, entre pessoas que sofrem de depressão, as pessoas se sentiam melhores após ter comido uma banana. Isto porque a banana contém triptofano, um tipo de proteína que o corpo converte em serotonina, reconhecida por relaxar, melhorar o seu humor e, geralmente, fazem você se sentir mais feliz.


Diarréia: Banana arejada, ou seja, amassada com um garfo e com ele "batida" - é excelente para acabar com diarreia! Médicos ensinam que: " para diarréia use A B C:” ou seja: Arroz (bem cozido), Banana (batida , aerada – para acabar com a diarréia) e Chá (líquido fervido para hidratar),"


Dor de cabeça: Uma das maneiras mais rápidas de curar uma dor de cabeça é fazer um batido de banana com mel. A banana acalma o estômago e com a ajuda do mel aumenta os níveis de açúcar no sangue enquanto o leite acalma e hidrata todo o teu sistema.


Enfarto: de acordo com pesquisa publicada no New England Journal of Medicine, comer bananas como parte de uma dieta regular, pode reduzir o risco de morte por enfarto em até 40%!


Enjôo matinal: comer uma banana entre as refeições ajuda a manter os níveis de açúcar no sangue elevado e evita as náuseas.


Fumo e Uso do Tabaco: As bananas podem ajudar as pessoas que tentam deixar de fumar. Vitaminas - A, B6 e B12, assim como o potássio e magnésio, ajudam o corpo a recuperar dos efeitos da retirada da nicotina.

Picadas de insetos: antes do creme para picada de inseto, experimente esfregar a zona afetada com a parte interna da casca da banana. Muitas pessoas acham excelentes para reduzir o inchaço e a irritação.

Jet Leg: Acrescentado só uma coisinha, a banana ajuda a ajustar o organismo no chamado 'jet leg'. Para quem viaja de um continente para outro com vários fusos horários de diferença de, o fato de comerem bananas (devido às propriedades do potássio nelas existentes), faz com que o organismo se ajuste mais depressa ao novo horário.


Pressão Arterial: Este fruto tropical é muito rico em potássio, mas reduzido em sódio, tornando-a perfeita para combater a pressão alta. Tanto é assim, que a Food and Drug Administration nos Estados Unidos, permitiu que a indústria da banana oficialmente informasse ao publico, que ao comer essa fruta, ela poderá reduzir o risco de pressão alta e infarto.

Nervos: Bananas são ricas em vitaminas do complexo B que ajuda a acalmar o sistema nervoso. Excesso de peso e no trabalho? Estudos do Instituto de Psicologia na Áustria mostram que a pressão no trabalho leva à excessiva ingestão de alimentos como chocolate e biscoitos. Estudando 5000 pacientes em hospitais, pesquisadores concluíram que os mais obesos eram os que mais sofriam de pressão alta e ataques de ansiedade. O relatório desse estudo, concluiu que: para evitar que comamos biscoitos e doces quando estamos ansiosos, então é necessário que se coma alimentos ricos em carboidratos a cada duas horas para manter níveis estáveis de açúcar no sangue, e é aí que entra a nossa querida banana.

Ressaca: uma das formas mais rápidas de curar uma ressaca é fazer uma vitamina de banana, adoçado com mel. A banana acalma o estômago e, com a ajuda do mel aumenta os níveis de açúcar no sangue, enquanto o leite suaviza e reidrata o sistema.

Stress: O potássio é um mineral vital, que ajuda a normalizar os batimentos cardíacos, levando oxigênio ao cérebro e regula o equilíbrio de água no corpo. Quando estamos estressados, nossa taxa metabólica se eleva, reduzindo os níveis de potássio que podem ser reequilibrado com a ajuda da banana, que é rica em potássio.

TPM - Esqueça as pílulas : coma uma banana. A vitamina B6 regula os níveis de glicose no sangue, que podem afetar seu humor.

Úlceras: A banana é usada na dieta diária contra desordens intestinais pela sua textura macia e suavidade. É a única fruta crua que pode ser comida sem desgaste em casos de úlcera crônica. Também neutraliza a acidez excessiva e reduz a irritação, protegendo as paredes do estômago.

Verrugas: os interessados em alternativas naturais juram que se quiser eliminar verrugas, pegar um pedaço de casca de banana e colocá-lo sobre a verruga, com o lado amarelo para fora. Segure cuidadosamente a casca no local com esparadrapo!
===========
Assim, a banana é um remédio natural para muitos males. Quando você compará-lo com uma maçã, tem quatro vezes mais proteínas, duas vezes mais carboidratos, três vezes mais fósforo, cinco vezes mais vitamina A e ferro e o dobro das outras vitaminas e minerais. Também é rica em potássio e é um dos alimentos mais valiosos para nossa saúde. Então talvez seja hora de mudar essa frase em inglês, tão conhecida: “One apple a day, keep the doctor away”, e que nós, traduzindo, deveríamos usar: "Uma banana por dia mantém o doutor sem freguesia!"

Depois dessa, comerei uma banana, se tiver! 

Grupo Alecrim - maio 2014
Colaboradoras:
Lia Regina F. de Camargo Vidigal
Márcia de Lourdes Vilela S.Almeida
Maria Cecília de Gouvea Guerra
Maria Cecília Pagliari Levy
Marilurdes de Castro Pimenta
Vera Maria Milliet Fonseca Rodrigues

 Banana - Rica em potássio e fibras

Informações sobre a Banana, características, vitaminas, benefícios e propriedades

CLASSIFICAÇÃO CIENTÍFICA 

Reino: Plantae
Divisão: Magnoliophyta
Classe: Liliopsida
Ordem: Zingiberales
Família: Musaceae
Gênero: Musa
Espécies : Origem híbrida

banana1

 

VALOR NUTRICIONAL
Valor nutritivo de 100 gramas de banana prata (valores apenas referenciais):
• Macrocomponentes:
Água (g) - 74,26
Energia (kJ) - 385 (92 kcal)
Proteína (g) - 1,03
Lipídeos (total) (g) 0,48
Carboidratos, por diferença (g) - 23,43
Fibra dietética (total) (g) - 2,4
Cinzas (g) - 0,8
• Minerais:
Cálcio, Ca (mg) - 6
Ferro, Fe (mg) - 0,31
Magnésio, Mg (mg) - 29
Fósforo, P (mg) - 20
Potássio, K (mg) - 396
Sódio, Na (mg) - 1
Zinco, Zn (mg) - 0,16
Cobre, Cu (mg) - 0,1
Manganês, Mn (mg) - 0,15
Selênio, Se (μg) - 1,1
• Vitaminas:
Vitamina A (Retinol) - 81 UI
Vitamina A (Retinol) - 8 μg_RE
Vitamina B1 (Tiamina) - 0,04 mg
Vitamina B2 (Riboflavina) - 0,1 mg
Vitamina B3 (Niacina) - 0,54 mg
Vitamina B5 (Ácido pantotênico) - 0,26 mg
Vitamina B6 (Piridoxina) - 0,57 µg
Vitamina B9 (Ácido fólico) - 19,1 UI
Vitamina C (Ácido ascórbico) - 9,1 mg
Vitamina E (Tocoferol) - 0,27 mg_ATE

 História

O cultivo de bananas pelo Homem teve início no sudeste da Ásia. Acredita-se que as bananas tiveram a sua origem na Malásia, há cerca de 4000 anos atrás. Existem ainda muitas espécies de banana selvagem na Nova Guiné, na Malásia, Indonésia e Filipinas. Indícios arqueológicos e paleoambientais recentemente revelados em Kuk Swamp, na província das Terras Altas Ocidentais da Nova Guiné, sugerem que esta actividade remonta pelo menos a até 5000 a.C., ou mesmo a até 8000 a.C.. Tais dados tornam, esse local, o berço do cultivo de bananas. É provável, contudo, que outras espécies de banana selvagem tenham sido, posteriormente, objecto de cultivo noutros locais do sudeste asiático.
A banana é mencionada em documentos escritos, pela primeira vez na história, em textos budistas de cerca de 600 a.C.. Sabe-se que Alexandre, o Grande comeu bananas nos vales da Índia em 327 a.C.. Só se encontram, porém, plantações organizadas de banana a partir do século III d.C. na China. Em 650, os conquistadores Islâmicos levaram-na para a Palestina. Foram, provavelmente, os mercadores árabes que a divulgaram por grande parte de África, provavelmente até à Gâmbia. A palavra banana teve origem na África Ocidental e, adoptada pelos portugueses e espanhóis, veio a ser usada, por exemplo, na língua inglesa.
Nos séculos XV e XVI, colonizadores portugueses começaram a plantação sistemática de bananais nas ilhas atlânticas, no Brasil e na costa ocidental africana. Mas elas permaneceram desconhecidas, por muito tempo, da maior parte da população européia. Por isso, Júlio Verne, na obra "A volta ao mundo em oitenta dias" (1872), descreve-a detalhadamente, pois sabe que grande parte dos seus leitores a desconhece.
Algumas fontes referem que já existiam espécies nativas de bananeira na América pré-colombiana, as bananas-da-terra.
Existem diversas espécies de bananas. No Brasil, as mais conhecidas são: nanica, prata, banana-da-terra e a banana maçã.
A banana, enquanto está verde, é constituída essencialmente por água e amido, e é por essa razão que o seu sabor é adstringente. À medida que vão amadurecendo, o amido transforma-se em açúcares mais simples, como a glicose e a sacarose, que lhe dão o sabor doce.
Além dos hidratos de carbono, outros nutrientes representativos da banana são o potássio, o magnésio, o ácido fólico e a vitamina B6.
Tabela de composição nutricional (100g de porção edível)
Banana crua
Energia (kcal) 95
Água (g) 72,1
Proteína (g) 1,6
Lípidos (g) 0,4
Hidratos de carbono (g) 21,8
Fibra (g) 3,1
Potássio (mg) 425
Magnésio 28
Ác. fólico (µg) 14
Vitamina B6 (mg) 0,29
Calcio (mg) 8
mg = miligramas. µg= microgramas. 
Porção Edível = diz respeito ao peso do alimento que é consumido depois de rejeitados todos os desperdícios.
Fonte: Porto A, Oliveira L. Tabela da Composição de Alimentos. Lisboa: Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge. 2006. 

 Banana, pacoba ou pacova é uma pseudobaga da bananeira, uma planta herbácea vivaz acaule da família Musaceae (género Musa - além do género Ensete, que produz as chamadas "falsas bananas"). São cultivadas em 130 países. Originárias do sudeste da Ásia são atualmente cultivadas em praticamente todas as regiões tropicais do planeta. O termo "Banana" é originário da Guiné. "Pacoba" e "pacova" se originaram do termo tupi pa'kowa, que significa "folha de enrolar"
Vulgarmente, inclusive para efeitos comerciais, o termo "banana" refere-se às frutas de polpa macia e doce que podem ser consumidas cruas. Contudo, existem variedades de cultivo, de polpa mais rija e de casca mais firme e verde, geralmente designadas por plátanos, em língua espanhola, banana-pão ou banana-da-terra, em português, ou plantains, em inglês, que são consumidas cozinhadas (assadas, cozidas ou fritas), constituindo o alimento base de muitas populações de regiões tropicais. A maioria das bananas para exportação é do primeiro tipo, ainda que apenas 10 a 15 por cento da produção mundial seja para exportação, sendo os Estados Unidos e a União Europeia as principais potências importadoras.
As bananas formam-se em cachos na parte superior dos "pseudocaules" que nascem de um verdadeiro caule subterrâneo (rizoma ou cormo) cuja longevidade chega a 15 anos ou mais. Depois da maturação e colheita do cacho de bananas, o pseudocaule morre (ou é cortado), dando origem, posteriormente, a um novo pseudocaule.
As pseudobagas formam-se em "pencas" com até cerca de vinte bananas. Os cachos de bananas, pendentes na extremidade do falso caule da bananeira, podem ter 5 a 20 pencas e podem pesar de 30 a 50 kg. Cada banana pesa, em média, 125g, com uma composição de 75% de água e 25% de matéria seca. Bananas são fonte apreciável de vitamina A, vitamina C, fibras e potássio.
Ainda que as espécies selvagens apresentem numerosas sementes, grandes e duras, quase todas as variedades de banana utilizadas na alimentação humana não têm sementes, como frutos partenocárpicos que são, exceção feita à espécie Musa balbisiana, comercializada no mercado indonésio, excepcionalmente com sementes.
Devido ao elevado teor de potássio em sua composição, as bananas são levemente radioativas, mais do que a maioria dos outros frutos. Isso se deve à presença do isótopo radioativo potássio-40 (40K), regularmente distribuído no potássio ocorrente na natureza, apesar de que o isótopo comum, potássio-39 (39K), seja não-radioativo. Por esta razão, os ambientalistas em energia nuclear, por vezes, costumam referir-se à "dose equivalente em banana" de radiação para apoiar seus argumentos durante debates em congressos e encontros sobre a matéria. Embora a radioatividade da banana seja muito leve, todavia, grandes carregamentos da fruta em navios podem ser suficientes para disparar detetores ou sensores de radiação em determinadas circunstâncias.

COMO COMPRAR E CONSERVAR
As bananas devem estar firmes, mas não muito duras, e com aparência brilhante. Não devem apresentar golpes nem estar machucadas. Na banana comum a cor da pele é indicativa do grau de maturação do fruto. Devem ser rejeitados os exemplares excessivamente moles. A presença de manchas e pontos negros ou castanhos na casca não afeta a qualidade da peça.
Esta fruta não requer condições especiais de conservação, basta mantê-la num local fresco, seco e protegido da luz direta do sol. Se conservada no frigorífico, a sua casca enegrece alterando o seu aspecto exterior, mas não afetando as suas qualidades nutritivas. O escurecimento da casca pode ser evitado envolvendo a fruta em papel jornal.

BANANA POSSUI UMA PENCA DE BENEFÍCIOS PARA A SAÚDE

Por Carolina Mouta | Yahoo! Contributor Network – ter, 28 de mai de 2013 16:32 BRT

Banana é o quarto alimento mais produzido do mundo. Prata, d´água, nanica, da terra, ouro, maçã. O sobrenome não importa! O que vale é ser banana! Originária da Ásia, está presente em diversos países e é o quarto alimento mais produzido no mundo. Alguns nutrientes se destacam bastante, fazendo com que a banana atue em diversos órgãos, distribuindo benefícios. Quer saber quais são os principais?
Os carboidratos presentes na banana fornecem energia para o organismo realizar todas as suas funções.
As fibras são um caso à parte. “O conteúdo em fibra do fruto-oligosacaridos torna a banana numa fruta apropriada para quem sofre de processos diarreicos, já que lhe confere a capacidade de estimular o crescimento das bactérias benéficas do cólon, as bifidobacterias ou lactobacilos, que auxiliam na regularização da função intestinal; e as fibras solúveis formam uma espécie de esponja, auxiliando no controle do colesterol, além de aumentar a sensação de saciedade", explica Patrícia Ramos, Coordenadora Serviço de Nutrição do Hospital Bandeirantes. 
A banana é uma fruta rica em potássio. Este mineral desempenha um papel importante na regulação da tensão arterial, no equilíbrio dos fluidos do corpo e na contração muscular. Tem um leve efeito diurético pelo seu conteúdo em água e potássio, que poderá ser benéfico no caso de gota e hipertensão arterial ou em caso de perdas excessivas de potássio, como durante a utilização de diuréticos. É desaconselhado em casos de insuficiência renal, visto que nesta condição o consumo de potássio é restrito.
Já o magnésio é essencial para o corpo humano, pois desempenha funções a nível da transmissão neuromuscular, participando em mais de 300 processos biológicos, incluindo a contração muscular. É ele quem evita a cãibra muscular, mantém um bom funcionamento dos músculos, nervos (participa na regulação dos fluxos através das membranas celulares), e a densidade óssea, ajudando na prevenção de osteoporose (previne a perda de cálcio). É por causa do magnésio que a fruta é tão apreciada por aquelas pessoas que fazem exercícios físicos.
Também o fósforo é muito importante na formação de ossos e dentes, intervindo nas reações químicas em que se liberta energia. 
Banana tem vitamina C. Você sabia? Ah, as vitaminas! São uma infinidade. 
Na banana encontramos a vitamina A, essencial para o bom funcionamento dos olhos. "A falta desta vitamina pode gerar dificuldades de se enxergar em lugares com luz fraca, causar alterações oculares levando até mesmo à cegueira total", observa Patrícia, pontuando, ainda, sua importância para o crescimento e o desenvolvimento de crianças. Além disso, a vitamina A participa da defesa do organismo, pois ajuda a manter as mucosas úmidas e saudáveis.
O ácido fólico, também conhecido por vitamina B9, é importantíssimo para a manutenção da saúde do ser humano. "A carência de ácido fólico pode causar quadros de diarreia, má absorção de nutrientes em nível gastrointestinal e, ainda, anemia", diz a especialista. Ele é, ainda, muito importante durante a gestação, pois colabora na diminuição dos problemas gestacionais em relação à formação do bebê. além de ser eficiente no combate à anemia e às doenças cardiovasculares.
E, ao contrário do que muita gente pensa, banana tem, sim, vitamina C. Ela estimula o sistema imunológico, promovendo maior resistência às infecções, aumenta a absorção do ferro proveniente de alimentos de origem vegetal como, por exemplo, feijão, espinafre e lentilha; auxilia no processo de cicatrização de feridas, sangramentos de gengivas e pequenos cortes. "Além disso, a vitamina C atua como antioxidante, neutralizando a ação dos radicais livres que desencadeiam o processo de envelhecimento precoce, desenvolvimento de câncer e doenças do coração", esclarece Patrícia.
A banana também possui um aminoácido chamado triptofano que é precursor da serotonina, que está relacionada à regulação dos processos bioquímicos de humor e sono. "O carboidrato da banana estimula o pâncreas a secretar insulina, hormônio sinalizador que faz tanto o carboidrato da fruta quanto os aminoácidos circulantes entrarem nas células. Porém, um aminoácido em particular permanece na corrente sanguínea: o triptofano. O consumo de carboidrato é fundamental para a entrada deste triptofano no cérebro", diz a nutricionista.
A fruta é rica em fibras, que ajudam a segurar a fome. E ele faz toda a diferença. Cerca de 2% do triptofano presente na dieta é convertido em serotonina. Ela é sintetizada e armazenada nas células do trato gastrointestinal, neurônios, nos vasos sanguíneos e plaquetas. Segundo Patrícia, a serotonina tem função inibitória ou de estimulação, no trato gastrointestinal controla as respostas de náuseas, vômitos, secreção intestinal e peristalse. No cérebro, ela tem função de regular o sono, o apetite, humor, memória, temperatura corporal, atividade motora.
Muda a banana, mas não mudam os benefícios. Entre os tipos de bananas mais consumidos no Brasil há pouca diferença em relação aos nutrientes. "A banana maçã é a que possui um teor maior de fibras e proteínas com um teor menor de carboidratos e menor valor calórico: 87 Kcal em 100 gramas. A banana da terra é a mais calórica com 128 Kcal em 100 gramas", observa a especialista.
Quase todo mundo pode se deliciar com a banana. A contraindicação, segundo Patrícia, fica por conta daqueles com doenças que exigem restrição de potássio na alimentação. Por ser uma fruta de elevado nível glicêmico e que faz o corpo produzir insulina, deve ser usada com cuidado também pelos diabéticos. Outro grupo que precisa consumir a banana com moderação são os obesos: cada unidade da banana tem quantidade elevada de calorias em relação a outras frutas. Para os que fazem dieta para emagrecer, porém, ela pode ser uma aliada, pois suas fibras aumentam a sensação de saciedade e ajudam a dar uma segurada na fome.
Se você não se encaixa em nenhum desses grupos, saiba: a banana está liberada! "A pirâmide alimentar brasileira recomenda o consumo de três porções de frutas variadas ao dia. Pode-se consumir a banana como uma porção das três recomendadas. Não é indicado consumir somente a banana, pois temos que variar as frutas, já que são ricas em vários nutrientes", aconselha Patrícia. E uma boa notícia para quem está parando de fumar: a banana é uma excelente aliada nesse período. As vitaminas B6 e B12, o potássio e o magnésio presentes na fruta ajudam o corpo a recuperar dos efeitos da falta de nicotina. Mas nada de exagerar. Em todos os casos, os especialistas orientam a inclusão de, no máximo, duas bananas por dia no cardápio.

CARACTERÍSTICAS

É uma fruta de cor verde, quando imatura, chegando a amarela ou vermelha, quando madura. Seu formato é alongado, podendo, contudo, variar muito na sua forma a depender das variedades de cultivo. Essa variação também acontece com a polpa, que pode ser mole ou dura, ou ainda com incrustações meio duras, bem como de sabor mais doce ou mais acre. Assim como o abacaxi, a banana também é fruto partenocárpico, pois pode formar-se sem fecundação prévia. É por isso que não possui sementes. Depois de cortada, a banana escurece-se muito rapidamente, devido à oxidação (pela presença da polifenoloxidase) em contato com o ar.
A espécie Musa balbisiana, comercializada no mercado indonésio contém, excepcionalmente, sementes, e é considerada uma das espécies ancestrais das actuais variedades híbridas das bananas geralmente consumidas.
Umbigo, flor, coração ou mangará da banana
Da parte inferior do cacho da banana ainda imaturo (ou verde, como se usa dizer), sai um pendão e, em seu extremo, destaca-se um cone de coloração e consistência diferenciadas, que é a flor da bananeira. Popularmente, a flor da bananeira é chamada de umbigo [do cacho] da banana, coração da bananeira, mangará ou apenas umbigo da banana, que, cozido e preparado com outros ingredientes, é comestível de requintado sabor e alto valor nutricional.
Várias receitas culinárias usam o umbigo da banana: cozido com bacalhau, ou carne moída, ou linguiça de porco defumada; temperado e refogado simples; entre outras.
Para ser utilizado como comestível (ou em preparações medicinais caseiras), o umbigo da banana precisa ser cortado, na posição certa (não muito próximo das pencas, apenas o bastante para se retirar o cone arroxeado do cacho ainda imaturo ou verde), o que favorece, pelo fluxo forçado da seiva, o amadurecimento do próprio cacho. Do cacho já maduro aproveita-se o umbigo apenas como adubo. 

 banana2

Flor de bananeira

 

banana3
 Cacho de bananas verdes ainda na bananeira, já sem o "umbigo" da banana

Casca da banana
Apesar de parecer não utilizável, a casca da banana contém vários nutrientes, açúcares naturais como a glicose e sacarose e minerais. Com isso, pode ser aproveitada no consumo alimentício, proporcionando baixo custo sem deixar para trás o bom paladar. São diversos os exemplos pelos quais se pode aproveitá-la, como o brigadeiro de casca de banana, o bolo de casca de banana, a farinha, o bife empanado de casca de banana e vários outros.

Como alimento
São por vezes reconhecidos quatro tipos principais de variedades de banana: a banana-prata, a banana-maçã (pequena e arredondada), a banana-caturra (também conhecida como banana-d'água ou cavendish) e a banana-da-terra.
Entre as bananas de mesa, contam-se as variedades maçã, ouro, prata e nanica (anã, baé, caturra, ou Dwarf Cavendish). Esta última deve o seu nome ao porte da bananeira sendo, na verdade, uma banana de grande dimensão. Outras variedades incluem a banana das Canárias, a banana da Madeira, a Gros Michel, a Latacan, a Nanican e a Grande Anã. A variedade Cambuta, como é designada em Cabo Verde, é resistente em climas mais frios, sendo a mais utilizada em zonas subtropicais e temperadas/quentes. A variedade Valery, introduzida pelos portugueses em São Tomé, em 1965 e depois em Angola, foi responsável por um surto na produção de bananas nesse país até 1974.
Além de consumida fresca, a banana é utilizada para diversos fins. Em sobremesas de colher, citam-se o banana split, ou mesmo as bananadas, feitas com banana-anã ou com banana-prata. Banana é também ingrediente indispensável na conhecida salada de frutas (ainda que oxide facilmente), podendo, também, ser utilizada na confecção de sangria. Mas a banana-pão é muito utilizada para outros fins culinários, como na confecção de banana chips — espécie de aperitivo feito com rodelas de banana desidratada ou frita, ou como acompanhamento de diversos pratos tradicionais. As bananas anã e prata são frequentemente servidas cruas, misturadas com arroz e feijão ou com outros acompanhamentos. Em alguns locais do Brasil, como em Antonina e cercanias, serve-se banana-da-terra cozida acompanhando o prato típico da região — o barreado —, bem como na forma de "bala de banana". No Rio de Janeiro e em Pernambuco, o cozido é composto por carnes, tubérculos e legumes, além de banana-da-terra e banana-nanica. No sul de Minas Gerais, é famoso o virado de banana-nanica, que conta também com farinha de milho e queijo mineiro. No litoral norte de São Paulo, o prato principal da culinária caiçara chama-se "azul-marinho" e é constituído por postas de peixe cozidas com banana-nanica verde sem casca, acompanhadas de um pirão feito com o caldo do peixe, banana cozida amassada e farinha de mandioca. Esta comunidades também produzem, tradicionalmente, aguardente de banana.
Banana é também matéria-prima para a fabricação de outras bebidas, como a cerveja de banana. Esta bebida alcoólica é importante para a renda de países como a República Democrática do Congo.
A banana-da-terra e a banana-figo são utilizadas fritas, tal como a banana-anã, que deve, contudo, ser preparada à milanesa — isto é, passada por ovo batido e, depois, por farinha de trigo e farinha de rosca antes de ser frita, caso contrário, desmancha-se durante a fritura. A banana-anã é ainda utilizada para assar.
A banana-maçã é indicada para problemas intestinais, ao aumentar facilmente o volume da massa fecal, ainda que possa causar aparente obstipação.
A produção de sumo a partir de banana é dificultada pelo facto de se produzir apenas polpa quando o fruto é esmagado. Assim, não é possível obter "verdadeiro" sumo de banana, ainda que a sua polpa possa ser misturada ao sumo de outros frutos. Existem, contudo, sumos fermentados feitos a partir da polpa. Esta pode ainda ser utilizada na confecção de diversas compotas (especialmente com banana-figo e banana-anã).
Existem relatos de que seria usada, esmagada com mel, como remédio contra a icterícia em determinadas regiões asiáticas (onde o rizoma da bananeira é utilizado para o mesmo fim). Apesar de parecer não utilizável, a casca da banana contém vários nutrientes, açúcares naturais como a glicose e sacarose e minerais. Com isso, pode ser aproveitada no consumo alimentício, proporcionando baixo custo sem deixar para trás o bom paladar.

Fonte de fibras para tecidos

A bananeira tem sido uma fonte de fibra para tecidos de alta qualidade. No Japão, o cultivo de banana para vestuário e uso doméstico remonta pelo menos ao século XIII. No sistema japonês, folhas e brotos são cortados a partir da planta periodicamente para garantir a suavidade. Brotos colhidos são cozidos em primeiro em soda cáustica para preparar fibras para fazer fios têxteis. Esses brotos de banana produzem fibras de diferentes graus de maciez, produzindo fios e tecidos com diferentes qualidades para usos específicos. Por exemplo, as fibras ultraperiféricas da brotos são mais rudes, sendo adequados para toalhas de mesa, enquanto as fibras mais suaves da parte interna são desejáveis para quimonos e hakamas. Este tradicional processo japonês de fazer roupas requer muitos passos, todos feitos à mão.14
No sistema nepalês, ao contrário, o tronco é colhido e pequenos pedaços são submetidos a um processo de amaciamento, extração de fibras mecânicas, branqueamento e secagem. A seguir, enviam-se as fibras para o Vale de Katmandu, para uso em tapetes de seda com textura semelhante. Esses tapetes de fibra de bananeira são tecidos a mão pelos tradicionais métodos mepaleses e suas vendas são certificadas.
Apesar de o consumo das bananas ser prático e simples, o seu transporte, contudo, é delicado e requer cuidados especiais — amadurece rapidamente quando retirada de seu cacho e amassa com facilidade por ter uma casca não muito resistente. Além disso, como é uma fruta muito aromática, transfere o seu odor para objetos que com ela entrem em contato.
As variedades comerciais de sobremesa mais consumidas nas regiões temperadas (espécies Musa acuminata ou o gênero híbrido Musa X paradisiaca) são importadas em larga escala dos trópicos. São muito populares também devido ao facto de constituírem uma fruta não sazonal, que pode ser consumida fresca durante todo o ano.
Tal como acontece com outros tipos de fruta, é comum que o mercado internacional seja monopolizado por pouco mais de uma variedade devido às facilidades de transporte e de duração em armazenamento.
O momento da colheita exige grandes cuidados de modo a não machucar as bananas. Os cachos são, então, despencados, ou seja, separados nas pencas, rejeitando-se as das extremidades (cerca de 25 por cento da produção).
As pencas são postas, então, em repouso, sendo depois lavadas e mergulhadas numa solução fungicida que evitará o apodrecimento a partir dos cortes. As pencas podem ainda ser cortadas em grupos (clusters) pequenos, de modo a aumentar a quantidade de fruta embalada.
No transporte, elas são expostas a uma temperatura de cerca de 12 °C e a uma umidade relativa próxima da saturação. Em temperaturas mais baixas, contudo, a maturação é definitivamente inibida e as frutas tornam-se cinzentas.

País

Milhões de toneladas

Percentagem

Produção 

Índia

29.7

20%

Uganda

11.1

8%

China

10.7

7%

Filipinas

9.2

6%

Equador

8.0

6%

Brasil

7.3

5%

Indonésia

6.1

4%

Colômbia

5.1

4%

Camarões

4.8

3%

Tanzânia

3.9

3%

Outros países

49.6

34%

Total Mundial

145.4

100%

 

Exportação 

Equador

5.2

29%

Costa Rica

1.8

10%

Colômbia

1.8

10%

Filipinas

1.6

9%

Guatemala

1.5

8%

Outros países

6.0

34%

Total mundial

17.9

100%

As bananas constituem o alimento básico de milhões de pessoas em vários países em via de desenvolvimento. Em determinados países tropicais a banana verde (não madura) é largamente utilizada da mesma forma que as batatas em outros países, podendo ser fritas, cozidas, assadas, guisadas etc. De facto, as bananas assim utilizadas são semelhantes à batata, não apenas no sabor e na textura, como a nível de composição nutricional e calórica.
Em 2005, a Índia liderou a produção mundial de bananas, representando cerca de 23% da produtividade mundial - sendo que a maioria se destina ao consumo interno. Os quatro países que mais exportam, contudo, são o Equador, a Costa Rica, as Filipinas, e a Colômbia, que somam cerca de dois terços das exportações mundiais, exportando cada um mais de um milhão de toneladas. De acordo com as estatísticas da FAO, só o Equador é responsável por mais de 30 por cento das exportações globais.
A maioria dos produtores, por todo o mundo praticam, contudo, uma agricultura de baixa escala e de subsistência - consumo próprio e venda e mercados locais. Já que as bananas são uma fruta não sazonal, estão disponíveis durante todo o ano, pelo que podem ser utilizadas durante as estações mais susceptíveis de escassez alimentar - alturas em que o produto de uma colheita já foi consumido enquanto que o produto da seguinte ainda não está disponível. É por esta razão que o cultivo de banana tem uma importância fulcral em qualquer sistema sustentado de luta contra a fome.
Nos últimos anos, a competição a nível de preços por parte dos supermercados tem diminuído ainda mais as já baixas margens de lucro da maioria dos produtores de banana. As principais empresas do ramo, como Chiquita, Del Monte, Dole e Fyffes têm as suas próprias plantações no Equador, na Colômbia, na Costa Rica e Honduras. Tais plantações exigem grande e intensivo investimento de capital e de know how — tornando os proprietários das grandes e lucrativas plantações extremamente influentes em nível económico e político nos seus países, em detrimento dos pequenos produtores. Isso justifica o facto de elas estarem disponíveis como artigo de "comércio justo" em alguns países.
O comércio global de bananas tem uma longa história que começou com a fundação da United Fruit Company (hoje, Chiquita), no final do século XIX. Durante a maior parte do século XX, as bananas e o café dominaram por completo a economia de exportação da América Central. Na década de 1930, constituíam mais de 75 por cento das exportações da região, nos anos 60 ainda as preenchiam em 67 por cento. O termo "República das Bananas" tornou-se vulgar, então, para designar a generalidade dos países da América Central, ainda que, sob o aspecto estritamente económico (sem conotação necessariamente depreciativa) apenas Costa Rica, Honduras, e Panamá assim possam ser designados, já que a sua economia é, de longe, dominada pelo comércio da banana.
Muitos países da União Europeia importam, tradicionalmente, muitas das bananas que consomem, das suas antigas colónias das Caraíbas, garantindo-lhes preços acima dos praticados no comércio global. 

No Brasil
A banana é o segundo fruto mais produzido e consumido no Brasil, segundo país no ranking da produção mundial, tanto como sobremesa como acompanhamento nas refeições, ainda que ocupe apenas 0,87 por cento do total das despesas de alimentação dos brasileiros em geral (surge daí a expressão "a preço de banana" para referir que algo é pouco dispendioso). A maior parte da produção provém do Nordeste do país, onde é produzido 34 por cento do volume total nacional, seguido das Regiões Norte (26 por cento), Sudeste (24 por cento), Sul (10 por cento) e Centro-Oeste (6 por cento). Ao todo, a área plantada é de cerca de 520 000 hectares. Em termos gerais, ainda que as condições naturais permitam uma produção de alta qualidade, é corrente afirmar que existe baixa eficiência na produção e no manejo pós-colheita.

Em Portugal
A banana é cultivada na ilha da Madeira; a variedade é a Musa acuminata cavendish. Em 2012 a produção foi de 16 mil toneladas e um volume de negócios de 12 milhões de euros, mas no final dos anos 1990 a produção atingia as 28 mil toneladas e a banana da Madeira representava 20% do consumo nacional.
Introduzidas na ilha no século XVI (existe uma referência escrita às bananeiras da Madeira que data de 1552), julga-se que terão vindo das Canárias ou de Cabo Verde, e tornaram-se parte integrante da paisagem16 .

Aspectos culturais

Uma das situações cómicas mais copiadas e parodiadas ao longo da história do cinema, desde o cinema mudo, consiste em mostrar as personagens a escorregar em cascas de banana. Também é frequentemente relacionada com a América Latina, a exemplo de Carmen Miranda e das canções Yes, nós temos bananas e Chiquita Bacana, ambas de Braguinha e Alberto Ribeiro.
Na China, o termo banana é usado no calão para designar qualquer pessoa de origem asiática que age como um ocidental (amarelos por fora, brancos por dentro). No Brasil, um gesto considerado obsceno e de mau gosto, denominado "dar uma banana", consiste em apoiar o braço ou a mão na dobra do outro braço, mantendo erguido e de punho fechado o antebraço que ficou livre.

BENEFÍCIOS DA BANANA VERDE - Verde pode? Pode!
“Fruta ajuda na redução de peso, controle do intestino, digestão e mais.” - por Amanda Regina - Nutricionista especialista em "Personal Diet" e Nutrição ampliada pela Antroposofia. Atua em consultório, escolas e ensinando pessoas a cozinhar de uma maneira mais saudável.
Banana verde é considerada um alimento funcional. Que madura, que nada! A melhor forma para consumir a banana é ainda verde! Assim é considerada um alimento funcional e, quando cozida, apresenta alto conteúdo de amido resistente presente na polpa da fruta. 
Ao contrário da banana madura, a banana verde possui baixo índice glicêmico, ou seja, sua digestão e absorção são mais lentas. Assim, a quantidade de glicose liberada no sangue ocorre gradativamente, mantendo seus níveis controlados no sangue e reduzindo a necessidade de liberação de insulina para que essa glicose entre na célula. Isso contribui para a prevenção do diabetes. O amido resistente também aumenta a saciedade e auxilia na redução do acúmulo de gordura corporal.

Os benefícios do amido resistente são bastante similares aos da fibra alimentar. "Ele não é digerido e absorvido no intestino delgado, podendo ser fermentado no intestino grosso, produzindo substâncias que servem como fonte de energia para a produção das bactérias benéficas do nosso intestino. Além disso, ajuda a manter a integridade da mucosa do nosso intestino, que é responsável pela absorção adequada dos nutrientes e pela barreira da entrada de substâncias maléficas", explica a nutricionista. Isso quer dizer que o consumo de banana verde auxilia no trânsito intestinal adequado, pode ajudar tanto prevenindo quanto tratando quadros como diarreia e constipação, além de prevenir o desenvolvimento de doenças como o câncer de intestino.
Achou estranho comer a fruta verde? Tem razão! A ingestão da tal banana verde se dá através de farinha ou pasta, produtos que já existem no mercado. O preparo pode ser adicionado a sucos, vitaminas, bolos, tortas, pães, massas, sopas, entre outras opções. E não precisa fazer cara feia: nem a farinha e nem a pasta deixam gosto residual, portanto, não alteram o sabor dos outros alimentos. Mas, antes de sair por aí procurando o produto, consulte um profissional especializado.
Quando encontrada na forma de farinha ou biomassa, a banana verde mantém os mesmos nutrientes e calorias. Nesse caso, o amido fica mais resistente e age no organismo da mesma maneira que uma fibra insolúvel: aumenta o volume fecal e a capacidade do corpo de liberar e diminuir as toxinas potencialmente cancerígenas.

Farinha de banana verde
A farinha é rica em minerais, pode ser utilizada no dia-a-dia e comprada em lojas de produtos naturais ou mercearias. Nas receitas convencionais, substitua a farinha comum por metade da farinha de banana verde. O alimento ajuda na absorção lenta da glicose, evitando um estímulo desnecessário de insulina pelo corpo. A longo prazo, isso previne o surgimento da diabetes e contribui com um estilo de vida mais saudável.
A farinha de banana tem um gosto neutro e pode ser utilizada na substituição parcial ou total da farinha de trigo. Outra opção é polvilhar o farelo nas refeições, em frutas, no iogurte ou até na água. Boa alternativa para o lanche da tarde, no horário que bate aquela fome.
Recomendo a ingestão de 2 colheres de sopa ao dia, podendo começar com 1 colher de sobremesa ao dia. Além disso, é importante caprichar no consumo de água para ter os efeitos desejados. Caso contrário, pode haver constipação intestinal, o incômodo "intestino preso".

Biomassa de banana verde

Possui as mesmas propriedades da farinha de banana verde e pode ser comprada na forma industrializada (congelada) ou até feita em casa. Veja abaixo a receita:
Ingredientes:
- Cerca de meia panela de água (a quantidade suficiente para cobrir as bananas)
- 12 bananas verdes (preferir orgânicas) 
Material utilizado: panela de pressão, liquidificador, garfo, fôrma para gelo e pote de vidro.
Preparo: lave as bananas verdes sem tirar o cabo da fruta. Encha a panela de pressão com metade de água e leve ao fogo para esquentar. Quando a água estiver borbulhando, coloque as bananas e tampe a panela. Espere chiar por 10 minutos e deixe a pressão passar naturalmente.
Depois disso, escorra a água da panela e tenha muito cuidado ao abrir as bananas, para não se queimar. Se preferir, utilize um garfo. Coloque a polpa da fruta - sem as cascas - para bater no liquidificador (pode ser necessário um pouco de água quente). Coloque a mistura em fôrmas de gelo e a outra metade em um pote de vidro, por até 7 dias.
Quando utilizar a biomassa congelada, retire do congelador no dia anterior e coloque na geladeira, ou coloque no microondas, em um pote de vidro, por 1 minuto.
Modo de utilização: batido em vitaminas, sucos, caldo de feijão, sopa, patês, massa de pão e bolo, etc.

Bibliografia
[S.N]. Bananas: do Plantio ao Amadurecimento. Porto Alegre: Cinco Continentes, 1998 (100p.).
DENHAM, T., Haberle, S. G., LENTFER, C., FULLAGAR, R., FIELD, J., PORCH, N., THERIN, M., WINSBOROUGH, B., & GOLSON, J.. Multi-disciplinary Evidence for the Origins of Agriculture from 6950-6440 Cal BP at Kuk Swamp in the Highlands of New Guinea. [S.L.]: Science: 2003 (June).
FAO. Bananas Commodity notes: Final results of the 2003 season. [S.L.]: [S.N.], 2004
FERRÃO, José; Bananeira, in "Enciclopédia Verbo Luso-Brasileira da Cultura, Edição Século XXI", Volume IV, Editorial Verbo, Braga, Março de 1998.
FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Dicionário da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Positivo, 2010
LEATHWOOD, P.D. & Pollet, P.. Diet-induced mood changes in normal populations. [S.L.]: J. Psychiat., 1984 (Res. 17(2):147-154)
MANICA, I. Fruticultura Tropical 4. Banana. Cinco Continentes Editora, 485p., 1997.
Microsoft do Brasil. Enciclopédia Encarta 2008. São Paulo (SP, Brasil): Microsoft do Brasil, 2008.
SAINIO, E.L., PULKKI, K. & YOUNG, S.N.. L-Tryptophan: Biochemical, nutritional and pharmacological aspects. [S.L.]: Amino Acids, (1996) 10:21-47.
SKIDMORE, T. & SMITH, P.. Modern Latin America. 5. ed.. New York: Oxford University Press, 2001.
XIAO, R., BECK, O. & HJEMDAHL, P.. On the accurate measurement of serotonin in whole blood. [S.L.]: Scand. J. Clin. Lab. Invest., 1998 (58: 505-510).
COHEN, ALISHA E., Bananas , Nova Science Pub.

 

boletim